Arquivo da categoria: 6º ano EF

Paisagem e Espaço na Geografia

Paisagem, para a Geografia, tem dois significados: tudo aquilo que os sentidos humanos (audição, olfato, tato e visão) podem captar e também pode ser considerado tudo aquilo que está ao alcance de nossa percepção. A paisagem sempre vai ser uma herança, ou seja, ela também vai fazer parte de nossa memória, sendo uma espécie de memória do passado. Pergunte a seus pais ou avós como era a paisagem de sua cidade quando eles eram crianças e qual é a paisagem de hoje, se existe alguma diferença.

g1   g2

Tóquio          1945                        vs                           2011

Transformação e herança da paisagem de Tóquio, a capital japonesa. Assim, a paisagem pode ser dividida em dois tipos:

Paisagem natural: aquela paisagem que o homem ainda não alterou ou modificou, sendo composta por objetos naturais como vegetação, rios, vales e montanhas.

Uma cachoeira é um exemplo de paisagem natural, pois não foi construída pelo homem.

Paisagem Cultural: aquela paisagem que o homem já alterou ou modificou, composta por objetos sociais como construções, cidades, pontes, etc.


Uma cidade é uma paisagem cultural, pois foi criada pelo homem

Considerando os movimentos nas paisagens, podemos perceber que elas mudam de um momento para outro. Por isso, afirmamos que elas são dinâmicas, estão sendo constantemente modificadas. Elas podem ser modificadas também: quando casas ou prédios são derrubados, e outros são construídos; quando uma área de floresta é desmatada; quando ocorre uma colheita numa área cultivada, por exemplo, com arroz; quando ruas, viadutos, pontes, rodovias, são construídos, etc.

No mundo atual praticamente não existe paisagem natural; são muito restritas as áreas onde existem apenas elementos naturais. Os oceanos, por exemplo, são constantemente atravessados por navios de todo tipo, seus recursos são explorados (inclusive de seu subsolo), em seus leitos há milhares de quilômetros de cabos submarinos feitos de cobre ou fibra óptica, que possibilitam as comunicações entre milhões de pessoas de diferentes continentes, diariamente. Em diversos trechos da floresta Amazônica são desenvolvidas pesquisas, atividades de exploração, muitas delas prejudiciais ao ambiente.

A paisagem humanizada (artificial ou cultural) é a que está presente nos mais vastos recantos do planeta. Nela coexistem elementos naturais e artificiais, havendo uma predominância destes últimos. No entanto, é preciso considerar que mesmo muitas plantas que existem nas paisagens bastante humanizadas, como as das grandes cidades, não apareceram e cresceram naturalmente, elas foram plantadas pelas pessoas. A sua existência, portanto, naquele determinado local, é resultado da ação humana.

z2

O espaço geográfico é aquele que foi modificado pelo homem ao longo da história. Que contém um passado histórico e foi transformado pela organização social, técnica e econômica daqueles que habitaram ou habitam os diferentes lugares (“o espaço geográfico é o palco das realizações humanas”).

Um conceito bastante presente na geografia em geral, o espaço geográfico apresenta definição bastante complexa e abrangente. Outros conceitos também relacionados ao espaço geográfico, ou antes, que estão contidos nele são: lugar, que é um conceito ligado a um local que nos é familiar ou que faz parte de nossa vida, e paisagem que é a porção do espaço que nossa visão alcança e é produto da percepção.

A primeira definição de “espaço” foi feita pelo filósofo Aristóteles para o qual este era inexistência do vazio e lugar como posição de um corpo entre outros corpos. Aristóteles ignorava o homem como constituinte do espaço, contudo, ele já considerava um aspecto importante da estrutura do espaço geográfico, a localização.

Mais adiante, no século XVIII, Immanuel Kant define o espaço como sendo algo não passível de percepção, porém, o que permite haver a percepção. Ou seja, Kant introduziu a idéia de que o espaço é algo separado dos demais elementos espaciais. Entretanto, suas idéias não permitem concebê-lo como algo constituído de significado ou estrutura própria.

Mais tarde, outros filósofos inserem o homem como um componente essencial para a compreensão do espaço, com ser que cria e modifica espaços de acordo com suas culturas e objetivos. Por último, seguiu-se a concepção filosófica de espaço proposta por Maurice Merleau-Ponty: “O espaço não é o meio (real ou lógico) onde se dispõe as coisas, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.”. Todas estas são concepções filosóficas do espaço que, entretanto, diferem um pouco da concepção geográfica.

A concepção geográfica de espaço que predominou de 1870 a meados de 1950, embora este ainda não fosse considerado como objeto de estudo, foi a introduzida por Ratzel e Hartshorne para os quais a concepção de “espaço vital” se confundia com a de território a medida em que era atrelado à ele uma relação de poder. Hatshorne usa o conceito de Kant, ou seja, para ele o espaço em si não existe, o que existe são os fenômenos que se materializam neste referencial. Aqui, espaço e tempo são desprezados.

A partir de 1950 o espaço passa a ser associado à noção de “planície isotrópica” (superfície plana com as mesmas propriedades físicas em todas as direções, homogênea) sob a ação de mecanismos unicamente econômicos (uso da terra, relações centro – periferia, etc.).

Em 1970 surge uma nova concepção atrelada à geografia crítica, que tem com base os pensamentos marxistas e para a qual o espaço é definido como o locus da reprodução das relações sociais de produção. Nesta concepção espaço e sociedade estão intimamente ligados.

Mais tarde surge uma nova concepção epistemológica para geografia que passa a encarar o espaço como fenômeno materializado. Ou, nas palavras de ALVES (1999), o espaço “é produto das relações entre homens e dos homens com a natureza, e ao mesmo tempo é fator que interfere nas mesmas relações que o constituíram. O espaço é, então, a materialização das relações existentes entre os homens na sociedade.”.

Fontes:
http://www.ub.es

http://www.ig.ufu.br

http://lista10.org/diversos/10-transformacoes-de-cidades-famosas-ao-longo-dos-anos/

http://www.escolakids.com/paisagem.htm

http://www.infoescola.com/geografia/espaco-geografico/

http://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/espaco-geografico-a-paisagem-construida-pela-sociedade.htm

Anúncios

O que você sempre quis saber mas tinha vergonha de perguntar…

Respostas simples para perguntas complicadas:

Por que o céu é azul?

Porque quando a luz do Sol passa através da atmosfera terrestre, é dividida em sete cores, eis que surge um arco-íris de cores. A atmosfera faz o papel de um o prisma, atuando sobre os raios solares que colidem com as moléculas de ar, água e poeira e são responsáveis pela dispersão do comprimento de onda da luz. Neste momento, a luz solar é “espalhada” em várias direções e com várias tonalidades de cor, cada uma com um comprimento de onda específico, no entanto, a onda que possui o comprimento da cor azul é bem mais definida e eficiente do que as outras.

Por que as estrelas brilham?

De forma simples, elas são gigantescos fornos de fusão nuclear, e produzem hélio, luz e calor.; ou seja, a estrelas são sois que ardem como o nosso e que, como ele, produzem calor e luz.

Podemos ver o Sol de todos os continentes da Terra?

Sim. O Sol vê-se de todos os continentes, mas não no mesmo momento. A Terra ao mesmo tempo que gira como um pião, roda também em redor do Sol. Cada continente tem a sua vez de, na devida altura, mergulhar na noite.

Por que a Lua não é vista sempre redonda?

Porque ela gira em torno da terra, fazendo com que sua forma pareça mudar. Conforme a lua gira, uma maior ou menor parte da sua superfície é iluminada pelo Sol. Quando se vê a Lua é porque está iluminada pela luz do Sol. Mas às vezes o Sol, conforme o seu no céu apenas ilumina uma parte da Lua. O resto fica na simbra dando a impressão de que a Lua não é redonda.

Por que o mar é salgado?

Devido ao ciclo da água, depois de evaporar, ela corre pela superfície do planeta, carregando elementos químicos (íons ). Esses íons se soltam das rochas nos leitos dos rios e se unem formando o cloreto de sódio, o sal de cozinha, que é levado junto com a água dos rios até o mar Como o sal não evapora com a água, toda essa substância carregada pelos rios do planeta vai se acumulando nos mares.

Por que são sete os dias da semana?

A Lua gira em torno da Terra mais ou menos vinte e oito dias, e durante esse período de tempo ela apresenta quatro aspectos diferentes: Lua Nova, Quarto Crescente, Lua Cheia e Quarto Minguante, dessa forma cada mês lunar é dividido em vários ciclos que nos permitem ver a Lua da sua forma mais minguante à mais cheia. As fases da Lua não duram exatamente uma semana e é por isso que, por volta do século 6 a.C., alguns povos (babilônicos e judeus) costumavam ter um calendário com três semanas de sete dias e uma semana de oito ou nove dias, para sincronizar exatamente os dias da semana com as fases da Lua. Qaundo dividimos os vinte e oito dias do mês lunar por quatro, obtêm-se sete dias… ou uma semana.

Por que ocorrem as marés?

As marés na Terra constituem um fenômeno resultante da atração gravitacional exercida pela Lua sobre a Terra e, em menor escala, da atração gravitacional exercida pelo Sol sobre a Terra. Ou seja, quando o Sol ou a Lua estão por cima do mar, atraem a água para eles fazendo-o subir. Mas, como a Terra gira, o mar, quando os astro já não estão por cima dele volta a descer… e a maré fica baixa.

 

Fontes:

http://www.vocesabia.net/ciencia/curiosidades-sobre-o-universo/

http://www.sofisica.com.br

http://www.megacurioso.com.br

http://www.brasilescola.com

 

 

 

 

Recordes na Geografia Mundial

Recordes no Planeta Terra

 

1. A maior cordilheira

Cordilheira dos Andes, na América do Sul, com 8 mil quilômetros.

2. A maior ilha


Groenlândia, com 2.175.600 km².

3. A montanha mais alta


Mauna Kea, no Havaí, tem 10.203 metros a partir do fundo do oceano Pacífico. Se for considerado apenas o pedaço que fica acima do nível do mar, a montanha conta com 4.205 metros.

4. O lago mais alto


O mais alto lago navegável é o Titicaca, no Peru, 3.811 metros acima do nível do mar.

5. O lago mais profundo


Lago Baikal, Rússia, com 1.620 metros.

6. O maior golfo


Golfo do México, com 1.502.200 km².

7. O maior lago


Mar Cáspio, entre Rússia e Irã, com 372.000 km² e 980 metros de profundidade. É o tamanho do Japão.

8. O maior rio em extensão

Amazonas, com 7.025 quilômetros.

9. A maior sombra

A figueira-de-bengala, árvore indiana, é o maior guarda-sol natural do mundo. Em sua sombra, podem se acomodar 20 ml pessoas.

10. A caverna mais profunda


Caverna Krubera, na República de Abkhazia. Em 2001, exploradores demoraram duas semanas para conseguir chegar aos 2.191 metros de profundidade.

Fonte: www.guiadoscuriosos.com.br